Tenho em mim um infinito…

Tenho em mim um infinito… Que esbarra contra os limites do meu corpo…

Não compreendo, mas sei que é real porque o sinto: que é mais real do que o que sentimos?

Ao pensamento condiciona-o o agora

É prisioneiro.

O que sinto vem de todo o sempre

É livre.

Advertisements

A little less Thinking and a tiny more Doing

“Finished last” will always be better than “Did not finish”, which always trumps “Did not start”. (as I read somewhere)

Isn’t it incredibly simple, yet so amazing and deep? (or is it just me?)

Anyway… My point is:

Just start! Alright? I know… I know… “You may not finish”.

OKAY. I get that. That IS a possibility. But, honestly, what does THAT matter right NOW, in this very second?!

So… come on… a little less thinking and a tiny more doing.

Whatever you need to begin: start now!

And by now, I mean NOW!

Oh and sorry about the short blog post… I need to shut the computer down and read the first page of a very important, and potentially life-changing, book I have been postponing. Might never finish it. But I’ll just focus on the first page by NOW.

(How about you? Any “starting” of any kind lately?)

Raquel

A adversidade, o Sol, o Mar e a Evolução do Ser-Humano

A VIDA NUNCA VAI SER MAIS FÁCIL DO QUE É… :)

(o Sol vai deixar de se pôr e o mar deixar de ter ondas??)

Então, mais vale encarar a adversidade com CORAGEM: CONFIAR, ACREDITAR, pedir ajuda de quem nos ama (incluindo e, talvez principalmente, d’Ele)… e depois?

Depois ARREGAÇAR AS MANGAS… e SORRIR :)

Repito, caso não tenham prestado atenção: a vida nao se torna mais fácil!

Nós é que podemos EVOLUIR com o ultrapassar de cada desafio (ou desgraça!) e lidar com mais facilidade e serenidade com a adversidade inevitável…

Sorrir ajuda… Abraçar MUITO também :)

Raquel

Tira a mão do queixo não penses mais nisso… :)

Tira a mão do queixo não penses mais nisso
o que lá vai já deu o que tinha a dar
quem ganhou ganhou e usou-se disso
quem perdeu há-de ter mais cartas p´ra dar
E enquanto alguns fazem figura
outros sucumbem à batota
chega aonde tu quiseres
mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada p´ra andar
a gente não vai parar
enquanto houver estrada p´ra andar
enquanto houver ventos e mar
a gente vai continuar
enquanto houver ventos e mar

todos náo pagamos por tudo o que usamos
o sistema é antigo e não poupa ninguém
somos todos escravos do que precisamos
reduz as necessidades se queres passar bem
que a dependência é uma besta
que dá cabo do desejo
a liberdade é uma maluca
que sabe quanto vale um beijo

Jorge Palma – “A gente vai continuar”

O mais importante de TUDO…

O mais importante de TUDO é não perdermos o foco: SER FELIZ! :D

E isso, em minha opinião, aplica-se ao trabalho também! De que adianta “fazer carreira”, tropeçar nos outros, chegar “ao topo” e viver constantemente em stress, ansiedade, “prisão”…! Não é?

Qual é o objectivo principal da Vida? Se me perguntarem, eu respondo a gritar a plenos pulmões: SER FELIZ! :)

E não num sentido abstracto ou inalcansável!! Mas… um sentimento: sentir-me feliz por dentro… no dia-a-dia… Não necessariamente TODO o dia, mas invariavelmente TODOS os dias…

E é isso que me guia… É também é isso que me faz levantar de cada vez que sinto que o meu fardo é demasiado pesado e não aguento mais! (E, nestes últimos meses, peso não tem faltado…).

Mas eu recuso-me a não ser feliz! Por isso, levanto-me, sacudo a poeira e SIGO :)

Quem vem comigo?

Raquel :)

Open Letter to the Real-Life Super-Hero

Dear Real-Life-Super-Hero,

First of all, I’d like to say I feel grateful to have crossed paths with you…

I am not sure if you realize how much of a difference you actually made in my life… but in case you missed it: you matter! You have changed my life for the better in a non-reversible way and the distinct fingerprint you left in it will never be erased.

It is so bizarre: Your words are always coated with a careful blend of optimism and enthusiasm… yet you never sound “fake” like those pop psychology 10-steps-to-make-you-happy kind of books! You are realistic and your pieces of advice are always specific, goal-oriented and personalized, which shows how you really take the time, you really care and try your best to help each person.

You are incredibly busy, yet you have always time for what matters the most: you pray, you meditate, you brainstorm with others, you coach the younger.

You are creative, but you are also driven: your feet are well grounded, while your mind makes projects and your heart harbors yet another soul looking for some comfort and warmth. 

But don’t get me wrong! I know you have your share of faults and rough edges… you do… Continue reading

Numa manhã de Primavera…

Não me recordo da última vez que acordei tão cedo… Ainda está a amanhecer… (ainda nem amanheceu!)

Estou encostada ao mesmo canto do sofá (que até já está mais gasto que o resto) enroscada numa mantinha: O café está delicioso!

Estou a ouvir uma música que não ouvia há muito tempo… é uma música LINDA…

Comecei a aperceber-me que estou em PAZ… Este sentimento de paz e serenidade tem-se vindo a incorporar em mim… lentamente… quase de forma imperceptível…

Sinto-me muito, muito bem neste momento…

É preciso tão pouco para sermos felizes… parece-me que estou a fazer as pazes comigo própria! (será?)

Sinto-me mais calma, mais tranquila, mais madura, incrivelmente sensível, emotiva (sempre…), em paz comigo e com as pessoas significativas!

Este tipo de sentimentos têm vindo a crescer dentro de mim há já alguns meses (… ou já terão passado anos?)

Fui-me apercebendo que estava a modificar… Senti vontade de fazer as pazes com o mundo…

Exorcizei as minhas raivas, desatei os meus nós…

Era necessário… Era vital!

Sinto muito, muito amor no meu coração… e isso faz-me tão bem!

Não quero permitir que injectem em mim ódios, ansiedades e desconfortos vários… Não me apetece andar amarga… vociferar contra os meus infortúnios…

Apetece-me abraçar os meus Amigos…

Apetece-me dizer aos meus Pais que os adoro…

Apetece-me AMAR MUITO!

Porque o amor é talvez a única coisa que aumenta à medida que se parte e reparte… O povo diz que “quem parte e reparte, e não fica com a melhor parte, ou é tolo ou não tem arte!”… Sinto que estou a ficar com uma fatia óptima deste sentimento tão nobre…

Sinto tanta paz neste momento… Esta música é mesmo bonita…

The golden pot at the end of the rainbow…

Hello everybody!

I have been trying to focus on my PhD thesis (my never-ending PhD thesis)…

It’s a slow process and it has been the most difficult and challenging professional project I have ever embraced and, also, the hardest test to my personal resilience and psychological resistance! (And no… this is NOT an exaggeration… I wish!)

It’s extremely hard to maintain motivation and focus on a project for like 4 years, with little return throughout the whole process…

Keeping the eyes on the prize isn’t always easy… the prize seems to be in such a distant place… Actually, it sometimes feels like a run for the golden pot at the end of the rainbow: it feels like we’re travelling endless miles to get to… well… nowhere: no prize, no pot, no ending… Continue reading

Um ritual…

Hoje tinha tudo para ser mais um dia como os últimos: morno… cinza… com horas a menos e preocupações a mais…

E eis que, de forma absolutamente inesperada, recebo uma CARTA

SIM! SIM! É isso mesmo! Recebi uma carta… dessas como antigamente: escrita à mão, com envelope e selos, recordam-se? E recordam o que nos fazia sentir receber uma carta de um amigo? Era um misto de antecipação, curiosidade e alegria… e ao mesmo tempo o sentimento reconfortante de sentir que somos suficientemente importantes, para alguém se ter dado ao trabalho de nos escrever

E foi TÃO a pérola certa, no momento certo! :) Continue reading

Escolhas!

A vida é feita de pequenas escolhas (isso todos mais ou menos sabemos…). Mas, até que ponto estamos conscientes do impacto de cada escolha no nosso futuro, no nosso bem-estar, na nossa contínua construção da felicidade?

É curioso pensar nisso…

Até que ponto as escolhas são fruto do acaso, fruto de uma sequência de acontecimentos ou são realmente Escolhas nossas, conscientes?

Até que ponto somos realmente nós a comandar a nossa vida, ou deixamo-nos ser comandados por essas escolhas que são feitas de forma não-consciente e que acabamos por nem dar valor… essas mesmas escolhas que nos vão alterar a vida de forma profunda, mudar o nosso rumo e até a nossa personalidade? Continue reading