The golden pot at the end of the rainbow…

Hello everybody!

I have been trying to focus on my PhD thesis (my never-ending PhD thesis)…

It’s a slow process and it has been the most difficult and challenging professional project I have ever embraced and, also, the hardest test to my personal resilience and psychological resistance! (And no… this is NOT an exaggeration… I wish!)

It’s extremely hard to maintain motivation and focus on a project for like 4 years, with little return throughout the whole process…

Keeping the eyes on the prize isn’t always easy… the prize seems to be in such a distant place… Actually, it sometimes feels like a run for the golden pot at the end of the rainbow: it feels like we’re travelling endless miles to get to… well… nowhere: no prize, no pot, no ending… Continue reading

Advertisements

Um ritual…

Hoje tinha tudo para ser mais um dia como os últimos: morno… cinza… com horas a menos e preocupações a mais…

E eis que, de forma absolutamente inesperada, recebo uma CARTA

SIM! SIM! É isso mesmo! Recebi uma carta… dessas como antigamente: escrita à mão, com envelope e selos, recordam-se? E recordam o que nos fazia sentir receber uma carta de um amigo? Era um misto de antecipação, curiosidade e alegria… e ao mesmo tempo o sentimento reconfortante de sentir que somos suficientemente importantes, para alguém se ter dado ao trabalho de nos escrever

E foi TÃO a pérola certa, no momento certo! :) Continue reading

Perfumes & I – plus my love for Burberry’s “Body”

So… here I am, to publicly announce my feelings for the “Body” perfume by Burberry… also known as “My Current Obsession” :)

But, firstly, let me just say that I don’t own a “perfume collection”: It is not easy or usual for me to like a perfume. Or, better yet, I DO enjoy several perfumes, but not to use them on myself… I don’t know why, but I have been like that for as long as I can remember. I never owned more than 2 perfumes at the same time, and usually I would wear THE SAME perfume ALL THE TIME for as long as 1, 2 or even 3 years (yep! that’s right… that long!)

I also noticed that once I traded perfume, I’d never gone back to using it again… isn’t it weird?!?! I still like those scents, but it seems like they are related to that time (maybe it means I don’t want to go back in time, which is true!) ;)  Continue reading

I’m singing in the rain ;D

I sing all the time… (and I mean ALL the time!) :) And it’s not because I believe I am particularly good at it… It’s mainly because MUSIC has always been an important part of my life! Oh and I dance, too…! all the way from my kitchen to my home office ;)

Does that make me a tiny little bit crazy? Oh well… normal is so boring, anyway! I choose HAPPY over NORMAL anytime!! :) Continue reading

Escolhas!

A vida é feita de pequenas escolhas (isso todos mais ou menos sabemos…). Mas, até que ponto estamos conscientes do impacto de cada escolha no nosso futuro, no nosso bem-estar, na nossa contínua construção da felicidade?

É curioso pensar nisso…

Até que ponto as escolhas são fruto do acaso, fruto de uma sequência de acontecimentos ou são realmente Escolhas nossas, conscientes?

Até que ponto somos realmente nós a comandar a nossa vida, ou deixamo-nos ser comandados por essas escolhas que são feitas de forma não-consciente e que acabamos por nem dar valor… essas mesmas escolhas que nos vão alterar a vida de forma profunda, mudar o nosso rumo e até a nossa personalidade? Continue reading

Pôr-do-Sol

Pétalas de rosas e açucenas, querendo ser pequenas nuvens perfumadas, flutuam em teu redor ao sabor da brisa de um dia que entardece. Acenas ao longe. Tudo apenas um sorriso rútilo de Centáurea. Resplandecente. E por entre as cores garridas de um arco-íris só nosso emerge o teu encanto de Amor-perfeito. Caminhas para mim e deixas-me sem respiração. Por onde passas florescem frondosos jardins de Hortênsias e Buganvílias, e escuta-se o jucundo canto dos Pintassilgos. Estendes a tua mão de encontro à minha. Beijas-me. E por um momento sinto-o como se de novo fosse este o primeiro beijo. Os teus lábios salgados. Os meus, suplicantes. Unidos. E o tempo a não ser tempo. O espaço a não ser espaço. Sentas-te. Bem junto a mim. Palavras. Versos. Poemas. De amor. Depois, em silêncio cúmplice, contemplamos o Sol maiúsculo que se despede tecendo os últimos fios de prata. O mar, cansado, a repousar sob um horizonte matizado em laranjas, violetas e azuis turquesa… Voltamo-nos um para o outro. Olhos nos olhos. E sorrimos…

(JFDourado, 31/01/2008)

LIMITE (uma resposta à Lud*)

Durante muitos anos tive muita dificuldade com a palavra LIMITE!

Por um lado, não sabia quais eram os MEUS limites, e pisava, constantemente, o meu próprio risco (com todas as consequências que isso acarreta). Por outro lado, não conseguia impôr limites a determinadas pessoas, e permitia que ME invadissem… entrassem em mim…  despejassem ou levassem de dentro de mim o que quisessem…

passei anos a subir montanhas, lesionada, sem muletas, às vezes com mais forças, outras a arrastar os pés… mas SUBIA SEMPRE! Sabia que o esforço era enorme, contudo considerava que uma vez subida a serra, tudo iria passar…

passei anos em eu que dominava a arte de engolir palavras que deveria vomitar… sem perceber que o meu estômago, pequenino, não conseguia digerir tudo (eu achava que sim) e algum dia havia de pagar a conta…  Continue reading